Posts

Uma metodologia baseada em foco e priorização para garantir que as coisas que precisam ser feitas sejam, de fato, feitas.

Organização e produtividade são dois fatores essenciais intimamente ligados e, para ajudar você a alcançá-los, falaremos um pouco sobre a metodologia GTD (Getting Things Done).

Aplicando-a, é possível organizar seus afazeres, priorizando-os de acordo com seu grau de urgência e prazo. Ela também ajuda a tirar de foco as atividades que não necessitam de atenção no momento.

Quer saber mais? Venha com a gente!
O que a metodologia Getting Things Done?

É uma metodologia focada em aumentar a produtividade, desenvolvida por David Allen, e é um dos métodos mais simples e objetivos já criados, mas requer uma boa dose de disciplina.

A GTD consiste em organizar todas as suas tarefas em listas específicas, organizando-as de acordo com seu grau de urgência e permitindo focar em uma tarefa por vez. Entenda o processo, abaixo:
Como funciona a GTD?

Para aplicar a metodologia GTD, é necessário seguir 5 passos fundamentais, sendo eles:

1. Coleta

Nesse primeiro passo, colete todos os seus afazeres, independentemente de prazos ou prioridades; o foco neste momento é esvaziar a sua cabeça.

2. Processamento

Com tudo posto em lista, avalie todos os afazeres e verificar se demandam alguma ação. Caso perceba que há necessidade de tomar alguma atitude, avalie os seguintes pontos!

Quanto tempo é preciso para resolver essa tarefa? Se a resposta for menos de dois minutos, resolva já! Evite postergar tarefas simples, pois elas podem acabar travando o seu desempenho.

Posso delegar essa tarefa? Em caso positivo, coloque-a em uma lista específica destinada ao acompanhamento de tarefas.

Essa tarefa pode ser adiada? Se sim, determine um dia e horário para realizá-la.

3. Organização

Para que tudo fique o mais simples possível, separe todas as tarefas processadas em listas específicas, facilitando a busca por uma determinada tarefa quando for necessário.

Uma boa dica é agrupar as tarefas, dentro das listas, por:

contextos;
afinidades;
correlação.

Para exemplificar, você pode agrupar as:

ligações para clientes;
tarefas que necessitam de internet;
que não precisam do computador.

4. Execução

É chegado o momento de avaliar as listas e começar a realizar as tarefas. É fundamental que, durante a execução, você esteja totalmente concentrado e que não haja interrupções.

5. Revisão

Para que você alcance o sucesso com a metodologia GTD, é importante fazer uma revisão (pelo menos semanal) de todas as tarefas realizadas e do que ainda precisa ser feito.

Procure tirar alguns minutos, ao final do dia, para fazer essa revisão e organizar as tarefas para o dia seguinte, tornado esse hábito uma rotina.

Quais as vantagens do GTD para empresas?

É fato que uma empresa que possui um alto nível de produtividade consegue gerar mais lucros com menos gastos.

Mas esse não é o único benefício de se implantar a metodologia GTD. Ao possuir as informações mais organizadas, fica mais fácil trabalhar o alinhamento entre os setores envolvidos em um determinado projeto.

Por meio do cronograma estabelecido, você consegue tirar os projetos do papel, colocando-os em prática sem perder o timing. Mas lembre-se: tudo isso só é alcançado se as informações forem devidamente compartilhadas entre os setores e colaboradores.

Como aplicá-la em uma empresa?

O primeiro passo para se aplicar a GTD em sua empresa é conseguir organizar todas as informações, de modo que seja possível avaliar cada uma delas.

Outro ponto fundamental é fazer com que sua equipe compreenda o funcionamento da metodologia e que esteja motivada a aplicá-la em seu cotidiano, pois, para que ela funcione, é imprescindível contar com a participação e o envolvimento de todos!

Para processar todas as informações, realize reuniões com cada setor em separado e, posteriormente, com todos os representantes de cada um juntos, a fim de alinhar o cronograma e explicitar a interdependência que proporciona o sucesso de cada projeto.

Para a aplicação em empresas, a revisão deve ser semanal, com vistas a avaliar os resultados obtidos e alinhar os próximos passos.

Gostou de aprender sobre a metodologia GTD (Getting Things Done)? Assine nossa newsletter e receba as melhores informações para a sua empresa!

Quando marketing e vendas se unem em torno de um único objetivo, eles melhoram drasticamente o ROI de marketing, a produtividade de vendas e, o mais importante, a rentabilidade do negócio. Veja algumas ideias para alinhar as duas equipes.

Alinhar marketing e vendas é fundamental para o sucesso de uma empresa. As duas equipes são fonte de aquisição e manutenção de relacionamentos com os clientes e, trabalhando em conjunto, podem atingir excelentes resultados.

Neste artigo, vamos apresentar os principais desafios para a realização desse alinhamento em uma empresa B2B, a importância desse processo e mostrar que soluções podem ser aplicadas, para a obtenção de resultados satisfatórios em seu negócio.

Boa leitura!

Os principais desafios de alinhar marketing e vendas

Alinhar marketing e vendas é um verdadeiro desafio por vários motivos. A falta de comunicação e coesão entre os departamentos pode evoluir para uma relação conflituosa, que impede o aumento de produtividade e, em última instância, faz com que sua empresa deixe de ser atraente ao cliente.

Quando cada setor ou departamento atua por conta própria, fica mais difícil construir uma prática focada no suporte e satisfação do consumidor, além de comprometer o crescimento e a estabilidade do negócio.

Se as vendas e o marketing olham em direções divergentes, então, a própria rentabilidade da empresa é prejudicada. Lembre-se de que o assassino silencioso de seu funil de vendas é a qualidade da experiência do cliente.

Apesar de todos os benefícios do alinhamento entre marketing e vendas, muitas empresas criam planos estratégicos distintos para estas duas áreas gerando um ambiente de trabalho conflitante entre as equipes, o que no longo prazo pode impactar a viabilidade dos negócios.

Justamente por ser tão relevante, aplicar as soluções adequadas para alcançar o alinhamento entre marketing e vendas é mandatório em todas as empresas que queiram alcançar melhores resultados.

O estímulo à colaboração entre as equipes

Para implementar o alinhamento entre marketing e vendas, você deve convencer as duas equipes da necessidade de trabalhar de forma unida e coesa.

Estabeleça um objetivo estratégico e desenvolva planos de ação que implique na colaboração de todos os profissionais envolvidos. Reuniões coletivas de acompanhamento do plano são ótimas oportunidades para que cada equipe exponha suas opiniões a respeito do trabalho em conjunto.

Tenha em mente que o perfeito alinhamento não será alcançado de uma vez só, pois as equipes precisarão de encorajamento e lembretes para abandonar velhos hábitos e desenvolver confiança recíproca. Promova metas comuns, para que essas barreiras comecem a se romper.

O estabelecimento de metas comuns

Em algumas organizações, é assustador ver como as metas do time de vendas diferem daquelas definidas para a equipe de marketing. A falta de um foco comum, no qual se concentrar, gera redução da produtividade e dificuldades em:

atrair novos clientes;
fazer crescer os negócios;
aumentar a rentabilidade.

Para efetivamente alinhar marketing e vendas, é essencial que as equipes estejam “na mesma página” em relação ao que precisa ser feito e às prioridades da empresa. Para quais objetivos comuns marketing e vendas devem trabalhar?

  • retenção de clientes;
  • nutrição de leads;
  • aumento nas vendas etc.

Conduza reuniões específicas para a definição de metas conjuntas e estimule os colaboradores a oferecer sugestões, aproveitando essas ocasiões para ajustar prioridades e objetivos em curto e longo prazos.

Processos integrados de marketing e vendas

Uma das soluções que trazem resultados positivos neste sentido é o redesenho dos processos de marketing e vendas de forma integrada. Neste sentido, cada departamento passa a ser um ator do processo de gestão do relacionamento com os clientes, desde a prospecção até o pós-vendas. Para facilitar a operacionalização e integração destes processos, uma boa solução é a adoção de sistemas de CRM que, nativamente, possuem esta finalidade: fazer com que marketing e vendas trabalhem em conjunto em prol da melhor experiência para o cliente e maior rentabilidade para a empresa.

Quer saber mais como um CRM pode melhorar os resultados em marketing e vendas? Acesse o nosso blog.

Ou, se preferir, siga-nos também nas redes sociais — Facebook, LinkedIn e Twitter — e receba sempre novos conteúdos sobre gestão do relacionamento com clientes e inteligência de negócios.

Boa parte das empresas gasta mais tempo extraindo dados de diferentes fontes, consolidando informações, construindo gráficos e tabelas do que, de fato, analisando resultados e desenvolvendo estratégias. Descubra como o BI pode reverter esse quadro.

O acompanhamento dos indicadores de resultados e a análise de dados da companhia são práticas que sempre ajudam o gestor nos momentos de tomada de decisão. O fato é que, ao empregar mais inteligência nos seus negócios, você consegue administrar sua empresa com mais fluidez e segurança. E a integração dos sistemas e das diferentes fontes de dados de uma empresa trazem muitos benefícios nesse sentido. Já parou para pensar em como o Business Intelligence (BI) pode ajudá-lo nos processos decisórios e na gestão organizacional?

Mas, se você ainda não sabe do que se trata o Business Intelligence, não se preocupe! Neste post apresentaremos o conceito dessa metodologia e as principais vantagens obtidas com a sua implementação. Confira!

O que é Business Intelligence?

É um conjunto de técnicas e ferramentas que envolve o processo de coleta, organização, processamento, monitoramento, análise e compartilhamento de informações de negócios que suportam o processo de tomada de decisões e a gestão empresarial.

As ferramentas de BI favorecem a manipulação e análise dos dados, provenientes de diferentes fontes internas e externas, facilitando o acesso aos conteúdos históricos, auxiliando nas previsões, construindo cenários e orientando as estratégias.

Com esse recurso, a sua equipe consegue, de forma simples e rápida, coletar, analisar, processar e compartilhar, em tempo real, as informações fornecidas pelos diferentes sistemas da sua empresa — como sistemas de gestão (ERP), sistema de CRM, dados do seu site, dados do Google Analytics e muito mais.

Independentemente do porte da organização, em um mundo onde o volume de dados e informações está cada vez maior e mais volátil, a adoção de uma plataforma de Business Intelligence se faz mais do que necessária.

Por que o Business Intelligence é importante?

A vantagem de reunir conteúdos diversos em um único lugar exibindo-os através de painéis de dashboards é imprescindível para a gestão de qualquer tipo de empresa, sobretudo porque permite o confronto de dados advindos de diferentes fontes em uma visualização rápida em qualquer dispositivo. O resultado é uma avaliação mais consistente e mais estratégica dos dados e resultados da empresa.

Tudo isso favorece a capacidade de antever situações e ajuda a sua empresa a otimizar trabalho e ainda torna as atividades mais eficazes e promissoras.

Como o Business Intelligence pode melhorar o meu negócio?

Veja agora as principais vantagens que a implementação dessa estratégia pode proporcionar:
Suporte no planejamento

Tomar uma decisão correta depende (e muito!) do seu nível de conhecimento. Com o Business Intelligence, a sua equipe amplia a capacidade de organização de dados e esse comportamento impacta positivamente a implementação dos planos de ação de marketing e de vendas e no relacionamento com o cliente.

A interpretação crítica dessas referências cruzadas conduz seus gestores à obtenção de dados mais confiáveis, minimizando as distorções e os riscos. Por exemplo: se o objetivo é descobrir o desempenho dos vendedores ou as regiões com maior mercado potencial ou ainda quais filiais vendem mais, esse processo é essencial para obtenção de uma informação fidedigna, considerando que é uma análise que envolve muitas variáveis.

Melhorias na competitividade

O sucesso (ou fracasso) da sua empresa está diretamente relacionado à forma como as tarefas são conduzidas dentro do negócio. Nem sempre é fácil cuidar dos números e resultados do negócio, dos objetivos organizacionais e dos fluxos gerenciais e ainda do dia a dia da produção. Certamente, algum desses fatores, ainda que todos sejam importantes para a saúde da empresa, pode não receber a devida atenção. Resultado: menos poder de fogo no mercado.

E a melhor forma de corrigir as falhas que reduzem a competitividade é adotando o Business Intelligence, que lhe possibilitará avaliar as interferências internas e externas, abrindo caminho para intervenções mais assertivas e reduzindo as perdas de recursos da organização.

Na realidade, o monitoramento desses indicadores disponibiliza aos gestores subsídios para agilizar as decisões, principalmente as que se referem a ofertas, mudanças de preços e aumento das vendas. Então, o que o Business Intelligence faz é potencializar estratégias, planos e diagnósticos gerenciais.

Aumento nas vendas

Quando você oferece ao seu cliente soluções inteligentes para negociar com a sua empresa, isso se reflete automaticamente nas vendas. Afinal, cada passo da experiência do comprador deve ser pensado, analisado e implementado.

As ferramentas de BI trazem clareza ao processo de vendas e ainda (re)direcionam o pensamento dos seus gestores, capacitando-os para investir em novos projetos voltados para aumentar a lucratividade.

No dia a dia, não é simples manter todos os dados em ordem. E mais: sem organização, fica impossível manter o controle das informações relevantes. É aí que entra o Business Intelligence, indicando o melhor caminho para vender mais e aumentar os lucros.

Suporte para decisões estratégicas

Com o uso do Business Intelligence, a empresa consegue obter informações consolidadas, agrupadas e sintetizadas, que subsidiam e facilitam a tomada de decisões estratégicas. Normalmente, dentro de organizações que desconhecem os benefícios dessa metodologia inovadora, há uma sobrecarga ou uma desorganização no fornecimento de dados aos gestores, o que atrapalha o processo decisório, sobretudo em momentos cruciais.

O resultado pode ser catastrófico, podendo levar a:

decisões equivocadas: a falta de organização em arquivos importantes levam a uma confusão na hora de identificar os dados relevantes para a tomada de decisões;
decisões atrasadas: sem ferramentas que automatizam a inteligência, o levantamento de informações (para composição de um relatório consolidado, por exemplo) e, consequentemente, a deliberação demandará muito mais tempo;
dificuldade de acessibilidade a dados relevantes: referências essenciais para a tomada de decisões não são encontradas ou estão espalhadas em diversas planilhas e arquivos.

Otimização de informações

Utilizar a metodologia e ferramentas de BI possibilita a coleta, armazenamento, análise e disseminação de dados e informações de forma automatizada e organizada através de relatórios, painéis e dashboards. Isso simplifica o processo e, ao mesmo tempo, o torna mais confiável.

Ter informações relevantes em tempo real e acessíveis de qualquer dispositivo significa melhoria no desenvolvimento das atividades que delas dependem. A inteligência de negócios evita que a coleta de dados seja um processo desorganizado e oneroso, que consiste em puro acúmulo de documentos.

Previsão de tendências

Quando o assunto é vantagem competitiva baseada em dados estratégicos, uma afirmação é certa: a informação só será realmente valiosa se for usada antes que os concorrentes o façam. É por isso que a previsão de tendências é tão valorizada no mercado. E o Business Intelligence tem muito a contribuir, pois permite que a empresa faça análise e previsões mais efetivas, de curto e médio prazo, graças à precisão das informações disponibilizadas. Assim, seu negócio estará sempre à frente dos concorrentes!
Mais conhecimento sobre o seu cliente

Com o Business Intelligence, é possível descobrir as necessidades dos clientes, bem como seus hábitos de consumo. Isso viabiliza a identificação do(s) perfil(is) do seu público-alvo, que podem ser utilizados em programas de fidelização, por exemplo. A empresa consegue levantar padrões de compras, hábitos, preferências e, com base nesses dados, ofertar produtos e serviços que efetivamente atendam à demanda.

Percebe o quanto essa estratégia pode ser diferencial para o futuro do seu negócio? Afinal, não há como se manter competitivo no mercado sem usar as informações disponíveis estrategicamente. No entanto, muitas empresas e seus gestores ainda enfrentam a sobrecarga de informações e a falta de habilidade de transformar dados em inteligência competitiva.

O BI soluciona esses problemas, transformando o processo informacional e melhorando, de dentro para fora, os resultados da organização, facilitando a tomada de decisões e aumentando as vendas. Ou seja, é uma estratégia poderosa para ajudar qualquer empresa a crescer.

Quer saber mais sobre como ter sucesso com o Business Intelligence?

Como saber se os resultados não vão indo bem por causa de uma má gestão? Descubra neste artigo 6 erros comuns em estão empresarial que precisam ser evitados.

Quando os negócios não vão indo muito bem a primeira coisa que devemos fazer é uma análise da gestão empresarial. Repensar estratégias e avaliar como algumas ações são conduzidas fazem parte desta avaliação.

Ações que envolvem planejamento, controle, estratégia, processos e resultados são essenciais na rotina financeira de qualquer empresa. No entanto, muitas vezes elas não atingem os objetivos desejados e comprometem os resultados financeiros. Por isso, se o desempenho não estiverem a contento, o melhor a fazer é identificar os erros e reformular os processos.

Foi pensando nesses equívocos que resolvemos listar 6 erros que devem ser evitados na gestão empresarial. Acompanhe:

1. Não considerar a gestão financeira no planejamento

Elaborar um plano onde serão definidas as diretrizes do negócio, como campanhas, metas, entre outras ações, geram custos para a empresa. De nada adianta ter excelentes ideias, investir seu tempo e depois concluir que não terá recursos para tocá-las adiante. Só existe planejamento verdadeiramente estratégico se ele andar lado a lado com a gestão financeira.

2. Não automatizar os processos

A princípio, a tendência é resistir a ele, mas com o tempo qualquer gestor sente falta de um bom software de gestão. A ferramenta auxilia todos os processos e permite o controle e monitoramento de cada operação realizada. Isso ajuda muito na administração da empresa e na percepção estratégica do negócio, melhorando a visão de erros e acertos.

3. Perder o controle do fluxo de caixa

O fluxo de caixa é um instrumento essencial para a gestão de negócios, pois projeta as entradas e saídas de recursos financeiros da empresa e mantém tudo sob controle. Uma vez que seu uso é negligenciado, pode haver desequilíbrio na saúde financeira da empresa e culminar em prejuízos.

Toda movimentação deve ser controlada. Por meio do fluxo de caixa é possível calcular a rentabilidade, a lucratividade, o ponto de equilíbrio e o prazo de retorno do investimento, tornando-se bem mais fácil acompanhar e saber as possibilidades reais de sucesso dos investimentos.

4. Ignorar a concorrência

Não é bom para qualquer empresa que deseja sucesso no mercado ignorar a concorrência. Isso vale, em especial para aqueles empreendedores que apresentam seus planos de negócios para investidores e caem no erro de esconderem a existência de fortes concorrentes.

Eles, na verdade, saem desacreditados do negócio, tendo em vista que a maioria dos investidores conhece muito bem o setor e acabam descobrindo as informações omitidas.

5. Não pensar em resultados a médio e longo prazo

Algumas ações precipitadas na gestão, como mudar estratégias a todo instante, podem colocar em risco a saúde financeira da empresa. Essas estratégias que, à primeira vista, podem parecer uma boa alternativa, na verdade podem comprometer todo o potencial da empresa e causar prejuízos.

Tenha em mente que bons resultados não surgem da noite para o dia; boas estratégias precisam de um tempo para surtirem efeito. A dica é sempre pensar em soluções para médio e longo prazo. Analisar as tendências do setor — pensando na frente — é também uma boa dica para criar boas estratégias e evitar erros de gestão empresarial.

6. Não mensurar resultados

O uso de indicadores é cada vez mais importante na gestão financeira e operacional de qualquer empresa. Medir resultados para saber se as metas estão sendo atingidas e tomar decisões com base nas análises são vantagens competitivas que devem ser consideradas.

É por meio destes indicadores que se acompanha o fluxo de caixa, o percentual de atingimento das metas de vendas, as margem de contribuição do portfólio de produtos, a melhora ou piora em relação às operações. Empresários que não contam com um painel de indicadores (dashboards) ficam, muitas vezes, sem parâmetros, navegando às cegas pelo mercado.

Quer saber como extrair dados da sua empresa e informações necessárias para alavancar seus negócios? Leio o artigo Análise estatística de dados: por que sua empresa precisa se preocupar com isso?